terça-feira, 21 de outubro de 2008

Apolônio e o AMOR

.
RicArdo CarvalhO:
.
.
.
Apolônio não era um jovem que despertava interesse nas garotas. Era robusto, mas não tinha o charme nem as palavras necessárias para a conquista desejada. Tinha o olhar cansado e o andar calmo. Era a legítima expressão de uma pessoa tranqüila. Vivia na solidão de seus pensamentos, rodeado pela alegria de seus sonhos. Era breve nas palavras e mais breve ainda em seus relacionamentos. Afirmava ele:

-já dizia o poeta, “as mulheres tem instinto caçador e fazem qualquer homem sofrer”.

Tinha criado sua própria conclusão, que se intitulava “Filosofia Apoleônica do Amor”. Segundo ele todo relacionamento devia ser breve, pois a melhor parte do romance se encontrava na conquista e no descobrir a novidade em cada pessoa.

Ele tinha sua atitude, sua interpretação e até sua filosofia, mas o que poucos sabiam é que Apolônio escondia um grande e irremediável amor. Era seu encanto das noites esquecidas, e das manhãs irradiantes. Ela era a perfeição, assim como todo amor deve ser. Ela era o amor que jamais imaginará ao seu lado, era a rainha, a deusa, a dona de seu desejo.

O que magoava Apolônio era saber que em seus braços a donzela jamais sonhava estar, tornando-se para ele um amor quase esquecido que pestanejava em seu peito

Foi certa feita que Apolônio, nosso herói da filosofia romântica, acordou para o mundo com a inspiração de todas as manhas. Mas aquele dia soava diferente aos seus desejos, e até o ressoar do vento fazia eco suave aos ouvidos do apaixonado. Apolônio lembrara-se que estava de folga e decidiu caminhar ao encontro do nada, sem preocupações, apenas em favor dos devaneios tolos de seus sentimentos.

Andava breve e calmo, sorria, pestanejava, falava sozinho... Imaginava que se naquele momento avistasse sua musa, não hesitaria em beijá-la. E foi então que soltou a frase que prendia ao peito:
-Benditos deuses dos sentimentos que se manifestam ao inesperado, permitam ao pobre jovem, de coração tolo e desejos desesperados. Façam surgir em meu olhar o encanto do romance inesperado, façam surgir ao meu lado a donzela que por ela tenho chorado...
Foi então que ouviu atrás dele a doce melodia das palavras que a ele se referiam:

-Conversando sozinho moço?

O coração do pobre jovem disparava e as palavras se perdiam, o olhar ficava embasado e as conclusões pareciam não verdadeiras. Era ela, sim caros amigos, a musa soberana, a rainha, a deusa dos seus sonhos. Ardiam aos anseios de Apolônio e lhe saltavam as pestanas e seus desejos mais secretos e profundos...

Pensava, imagina. Como agir? Como não agir? O que fazer? O que não fazer? E agora? O que faria ele com sua promessa de beijá-la no mais breve momento que a avistasse?
Não hesitou...

Foi virando-se aos poucos, de maneira calma. Erguendo seu olhar, fazendo um movimento breve, encarou a linda moça sem dizer uma única e simples palavra, aproximou-se de seu corpo, segurando pela mão da donzela. Aproximando-se mais ainda já sentia o perfume que ressoava ao coração. Aproximando-se mais ainda sentiu fechar seus olhos e o calor de sua boca ao encontro dela, seria o momento, o local, a hora, o minuto, o segundo em que Apolonio...
...BBBBBBBBrrrrrrrrrrrããããããããããããããããããããã...
...Maldito despertador que fez Apolônio acordar do sono e perceber que já era segunda-feira, ele deveria ir trabalhar...
.

.
.
.
______________
(..VoltaRemoOos..)

5 comentários:

Jean Matheo Piccini Lago disse...

essa história me lembra alguém, no caso lembro-me de mim mesmo. O apolineo é um pouco mais romantico só!
asehioasheioashieo
muito bom, muito bom!

Gabriel Bedin Slevinski disse...

apolônio chapecó.. é apolônio...heheheheh

Luck Siqueira disse...

Putzzzzzz!! Coitado! É uma situação das piores descobrir que se está sonhando quando está num momemnto bom...
Mas o Apolônio tem toda a razão quando disse que "todo relacionamento devia ser breve, pois a melhor parte do romance se encontrava na conquista e no descobrir a novidade em cada pessoa". Foi a melhor frase que já vi com relação a relacionamentos! Se tu autorizar vou parafraseá-la sempre que puder!
Abraços!

Luck Siqueira disse...

ahh...add teu blog nos meus indicados!! Muito bom!!!

Thaís c farsen disse...

Bah, confeço que nao gostei dele ter acordado... mas antes acordar de um sonho do que nunca poder tê-lo sonhado... Ele se conforma.
Muito bom o texto. Agora já não sei se discordo ou não de Apolônio...