domingo, 7 de março de 2010

Amor prá vida toda...

DR. Cardoso..
Sempre achei um absurdo a idéia de amor pra vida toda.
As coisas acontecem, passam e são lembradas. Algumas por mais tempo, outras por menos. A gente se apega demais às coisas, pensando que serão para sempre nossas e, como se isso não bastasse, exigimos que as outras pessoas também pensem desse modo.
Acreditando que é cômodo namorar, carrego uma leve indignação contra o sentimento da paixão. 
Talvez, seja implicância com essa babaca do caramba... A tal paixão acontece mas, logo dá as costas e some.
Talvez, seja pelo fato de que nunca estivemos próximos o suficiente...
Eu sou o único cara que com 67 anos ainda pode dizer que é da mamãe...
Entro em pânico diante da idéia de que as pessoas se complementam, são feitas uma para outra.
Ninguém se completa, se você está esperando o James Bond prá lhe tirar do Titanic que é sua vida, esqueça querida! Quer resolver seus problemas, melhor agarrar-se na bóia dos seus sonhos, tendo em mente que a água da rotina é gelada.
Pessoas existem para serem felizes, pena que na primeira esquina esquecem disso e resolvem importunar alguém que está ali, tranqüilo...
- E aí será que rola um sentimento?
- Ai que amor, ela disse que me ama... E daí? Eu gosto de cachorro quente, adoro futebol e tomo banho 2 vezes por semana. Ela adora comidas saudáveis, diz que futebol é coisa de ogro e só sou o amorzinho dela se tiver cheiroso a creme..
A intensidade do sentimento que nos atrai é a mesma do desinteresse que nos distancia.
Nos atraímos, mas por conta de não sei o que nos distanciamos.
Pessoas se gostam ou não. Não existe meio gostar.
Eu pensei que pudesse namorar com minha ultima paixão sem ela saber, mas não rolou. Safada, me traiu. Tive de terminar. Olhei pra ela e...
Gorda, recalcada, torta do caramba, vai ficar pra titia.. Pensei...
Ela nem soube mas eu terminei e o bom é que foi tudo numa boa, ela nem reclamou. Melhor assim, odeio chatear as pessoas.
Se as coisas rolam, rolam, se não rolam, não insista, não chore, não ligue, jamais ligue, não implore, não se perturbe, nem se veja culpado.
Se existir sentimento, de fato, ela vai voltar.
Algumas pessoas precisam da ausência pra valorizar a presença.
Afinal, as pessoas são livres e têm direito de não se apaixonar (tem?).
Você tentou, foi sincero, simpático, agiu de forma sensata.
O que importa é esse alguém querer estar contigo.
Isso é o legal da coisa: gostar de estar gostando.
Não existe fórmula pra deixar de ser solteiro.
Pode até tentar comprar ou se vender a alguém à troco de jóia, carro, grana...
Mais hora, menos hora você vai ser vendido ou trocado da mesma forma, mas por um simples olhar ou poema rabiscado.
Pior que querer ser feliz a qualquer custo com alguém, é pensar que esse alguém é perfeito. O perfeito não existe. Senão, o que seria das clínicas estéticas se ninguém tivesse defeitos? Ou pior, o que seria da gente se tudo estivesse completo. Qual seria a graça? 
Pior que querer lutar por algo que não existe é dizer que se está com dúvida.
A dúvida é a única saída para aquilo que ainda não possui resposta. Então, o problema é dela, sua parte é querer esperar ou não. Nada de drama.
Ah! Antes que eu esqueça, tem aquele tipo de pessoa que acha pertencer a infinitos recantos celestes. Ficam com você por dó, piedade, para lhe ajudar, não deixar sofrer na solidão.
Que mal tem estar sozinho? No máximo, você será sempre sorteado pra lavar sua louça, mas demais a mais, só viemos, só partiremos.
Que medo é esse de se ver sozinho? Pulando de um caso pra outro?
Dor maior que a solidão, só a dor de gostar de alguém que não está nem aí pra você.
Entre tantas pessoas, existe ainda o tipo que não está a fim de se envolver, que deveria estar preocupado, não em distanciar-se dos romances, mas sim em encontrar desculpas um pouco mais convincentes pra dizer que não tá afim, que você é uma moça bacana, mas ele prefere a safadinha, sua tonta. E isso é direito dele.
Ah! Tem também aquela bela desculpa do amigo íntimo. Ele e só meu amigo. Esse cara sim é um cara de sorte. Ele tem tudo, pena que não quer nada. Geralmente você é caidinha por ele e ele nem aí prá você. Tola! você não pode namorar, mas pode ser a amiga? ora, que mal tem? Acho que o final ninguém sabe quem engana quem e o que  realmente se quer.
Mas..
Se ela lhe quiser, parabéns, você é um cara de sorte, o pára-quedas é seu, coloque e salte. Mas não esqueça de pelo menos, duas coisas:
1) No Material do pára-quedas tem que estar em letras grandes: RECIPROCIDADE AMOROSA;
2) Quando estiver quase lá embaixo, será necessário puxar a cordinha chamada semancol. Na queda, se não abrir o equipamento, você cai de boca no chão e os ferimentos são de grave a irreparáveis montas.
Tem alguns casais que de medo, abrem o pára-quedas antes de pular. E aí ficam a queda toda a descer mansamente, no morno conforto da tranquilidade. Limitam-se a ver o tempo passar. E aí, conseguem achar defeitos um no outro, tornando a viagem longa e cansativa, desgastante como agradar o sogrão no primeiro almoço da família.

Nada como eu. Que ganhei um celular há algum tempo, e tem uma mulher que vive me ligando. Ela me ama, eu sei. Só que isso incomoda um pouco... Minha mãe acha que eu tenho que atendê-la a todo instante.
__
__

3 comentários:

Thay disse...

ah, muito bom o texto!
um desabafo?
Mas muito bom, mesmo :)

Jéssica disse...

Interessante... O texto inteiro eu fiquei com a impressão de que tinha acabado de levar um fora e estava recebendo uns belos conselhos... E gostei. hahahaha E o tom de confissão do final ficou engraçado, também :)

E gostei dessa frase: "A intensidade do sentimento que nos atrai é a mesma do desinteresse que nos distancia."


;**

Maluá disse...

Era tudo o que eu precisava ouvir nesse momento.Excelente texto!